sexta-feira, 30 de outubro de 2015

O homem ideal.

De tanto pensar e sofrer minha vida toda pelas pressões sociais e as necessidades do estereótipo de perfeição feminina. E essa necessidade ridícula de se cumprir um papel de mulher ideal do imaginário masculino ao qual me recuso veementemente, me senti no direito de descrever o meu homem ideal.  E o que seria um homem ideal para mim?

Um que não se importe de ser trocado. Por muitas vezes eu preferirei a companhia dos meus filhos, ou dos meus pais, minhas irmãs e cunhados, meus amigos ou amigas, detalhe, sozinha com eles, não venha com essa de que “estarei sempre com você”, não curto apêndices.

Que não implique com meus trabalhos e colegas, amo minhas pesquisas e produções, em arte e em comunicação, não vou abrir mão de viajar para isso, de participar, de integrar algo que acho mágico, fascinante. Se quiser ser espectador ótimo, se não tranqüilo, só não interfira e não atrapalhe.

Entenda minha rotina. Preciso de certa ordem para viver, horas de sono, hora de comer e o que comer, academia e exercícios diários, assistir meus programas de TV e séries favoritos, ler e fazer as coisas no meu tempo, e a não ser que eu esteja realmente afim, não vou sair da minha paz a não ser que valha a pena, assim quando eu disser que vou em algum programa chato, saiba que gosto muito de você.

Aceite minha necessidade de reclusão. Vou me retirar, um dia ou dez dias não interessa, mas vou querer ficar sozinha, com meu vinho, meus livros, meus pensamentos e reflexões, em casa ou na fazenda, não vou responder suas mensagens nesse tempo, nem suas ligações, entenda não tenho nenhum problema com você só não quero conversar. É meu ócio criativo e nele não vai te caber.

Compreenda minha forma de amar e relacionar com o amor. Acho o apego desnecessário, ele para mim não é amor, é egoísmo. Para mim você deve ser livres para que eu possa estar ao seu lado e desfrutar de sua companhia. Não prenderei e não aceitarei me sentir presa.

Que não quero castelos cor de rosa e nem príncipes encantados. Já tenho meus castelos e eles são mais tenebrosos e cheios de labirintos que faiscantes e coloridos. Detalhe, sou uma guerreira não uma princesa e não preciso da sua proteção, sei me defender.

Para mim relacionamentos podem ser incríveis sem necessariamente ter que se encaixar nos padrões habituais. Posso até cozinhar para você de vez em quando ou te comprar um remédio, mas não sei se quero ou vou me casar e às vezes vou querer só sexo e diversão do relacionamento e não vejo nada de errado nisso.

Que tenha sua própria vida, seja independente, educado, cuide da sua saúde, corpo e aparência um mínimo possível para que eu perceba que possui amor próprio. Que valorize seus amigos e conquistas. Que não seja dado a exageros ou escândalos e não de piti ou faça cenas de ciúmes.


E por fim respeite minhas esquisitices porque afinal, vou sempre me dar a liberdade de mudar de opinião, de querer recomeçar, de buscar algo novo, como diz a Gabi tenho problemas e preciso fazer analise, mas não quero.
THelrigle